Me Morte...por Mariângela Padilha
Poemas e Histórias à Flôr da Pele
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


 Assédio sexual é comum, seja uma simples cantada, uma passada de mão ou um estupro, é degradante! Isso é mais comum do que se pensa! Algumas denunciam, outras morrem de vergonha e escondem. É um assunto proibido, porém toda mulher se identifica com ele quando lê a respeito! Cada uma com uma história diferente. Vamos chamá-la “Maria”, porque a história dela é o reflexo de muitas outras que se passa por aí. Maria era uma menina de 13 anos quando foi àquele dentista. Ele tinha seus 60 e poucos e era uma figura tradicional da pacata cidade mineira de Cambuí. A menina estava apavorada com a agulha da anestesia que o dentista fazia questão de examinar bem na sua frente. Aquela agulha iria entrar por sua gengiva algumas vezes e só de imaginar já se contorcia. Ela segurou forte na cadeira enquanto a agulha rasgava a carne. Ele retirou umas duas vezes e tornou a enfiar noutro ponto, como se tivesse prazer em ver a menina gemendo. Maria estava tão apavorada que nem reparou no braço do homem acariciando seu seio direito. Na ultima vez que retirou a agulha ela sentiu o incômodo de seu braço e afastou seu corpo para o outro canto, para se livrar da situação. Como ele se levantou e foi até a outra ponta da sala, ela deduziu que tinha esbarrado acidentalmente. Ficou por isso mesmo. Só quando ele colocou a broca na sua boca é que as investidas recomeçaram. A garota empurrava seu braço, mas o pedófilo tornava a colocar como se fosse a coisa mais normal do mundo, sem se importar com a recusa e o olhar apavorado da menina. Depois de umas cinco investidas ele desceu a cadeira e disse: amanhã terminamos. O canal está fechado provisoriamente. Se doer não hesite em me chamar, a qualquer hora do dia ou da noite. Existem três finais para essa história: a ficção, a utopia e a realidade. Na ficção Maria conta ao pai que denuncia o pedófilo, que vai preso e não atormenta mais a infância de ninguém... Na utopia ele sai depois de uns anos e, curado, não mais sente atração por crianças. A realidade é suja, nem preciso dizer quantas “Marias” passaram por essa violência. Mas, num quarto final, porque nossa Maria era descolada, ela bancou a detetive e soube de outros casos. Contou ao pai que não acreditou e ainda a ameaçou sofrer um castigo por mentir. Não podia parar o tratamento, seus dentes estavam muito ruins. Teve uma ideia... Convidou a melhor amiga que a acompanhou até o tratamento acabar. E quando saiu da sala naquela última consulta, mostrou o dedo com malícia ao seu algoz, dizendo: “isso é pra você, seu velho nojento”. Maria se sentia suja. Ela se culpava de não ter sido mais firme, mas não teve opção, ninguém a levaria a sério. Tinha que se conformar com mais um pedófilo solto pelas ruas. Hoje são milhares e nem saem de casa, se escondem atrás de um computador. O mundo se modernizou e as Marias ganharam lei (que não adianta merda nenhuma), os pedófilos se multiplicaram e hoje não se escondem mais (porque a lei para eles funciona que é uma maravilha), quando são presos logo são liberados e voltam a atacar. Que mundo é esse?
Mariângela Padilha
Enviado por Mariângela Padilha em 10/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Me Morte). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários