Me Morte...por Mariângela Padilha
Poemas e Histórias à Flôr da Pele
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

A curiosidade matou o gato!

Minha Vó contava...

Já ouviram falar da lenda da Hora do Morto? Pois é, eu já.
Minha vó dizia que hora de dormir é sagrada! Que quem estivesse acordadao às 3 da manhã seria vítima da lenda da Hora do Morto. Quando eu perguntava do que se tratava essa lenda ela respondia:
-Melhor nem saber! Mas se a curiosidade for maior e um dia decidir ficar acordada, reze para desmaiar.
-Por que vovó?
-Dizem que quem desmaia não esquece jamais! Porém quem permanece acordado... Bem, melhor nem saber!
Foi aí que pedi mais detalhes e ela me contou de sua experiência:
Que toda noite ela ouvia, depois de deitar, barulhos no andar de baixo.
O piso da casa era de madeira antiga, rangia e parecia um arrastar de correntes, que ia ficando cada vez mais alto.
Ela dormia no segundo andar e ouvia passos subindo a escada. Tremia e não conseguia chamar ninguém, paralisada. Por mais que soubesse que era melhor dormir, um dia não resistiu e a curiosidade falou mais alto.
Certa noite ficou acordada e quando o relógio da sala bateu a terceira badalada escutou o barulho chegando à porta do seu quarto e a fechadura girando. Alguém tentava abrir!
Gritou e saltou da cama. Rapidamente um barulho na janela ao lado chamou sua atenção. Ela se aproximou e abriu-a de supetão. Viu lá embaixo um vulto a observando. Homem de terno preto e rosto pálido que parecia sair de um enterro, como se fosse o próprio defunto. Ela piscou o olho e o homem estava a sua frente.
Deu um grito e ele sorriu de um jeito macabro. Ela desmaiou.
Quando acordou estava coberta por um terno preto, deitada no chão do quarto e ao lado seu gato estava morto.
Perguntou a sua mãe de quem era o terno e o que aconteceu com o gato, mas ela não soube explicar a origem do terno. O gato, segundo reza a lenda, ela disse que deve ter ficado acordado até o final. Quem não desmaia morre, disse ela.

Ouvi essa história minha infância toda. Dava arrepios! Ainda não decidi se vou ficar acordada, mas confesso que ando bem tentada.
Quem sabe hoje a noite...
Mariângela Padilha
Enviado por Mariângela Padilha em 08/07/2017
Alterado em 13/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Me Morte). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários